RVK008 – Minha vida de gamer nos anos 90

2

Podemos dizer que os anos 90 foram a grande década dos games no Brasil. Sem desmerecer a era do glorioso ATARI e seus contemporâneos, mas os nascidos no final da década de 80 como eu conheceram um mundo novo, ou melhor, mundos novos. Todos apresentados pelos games daquela geração.

Em 1993 chega ao Brasil o NES, ou Nintendinho  para os íntimos. Graças a ele conhecemos jogos marcantes e difíceis como o aclamado Megaman, também conhecido como: O quebrador de controles! Outro jogo que me despertava os instintos mais primitivos era o bom e velho Contra. A cada morte a vontade era jogar o console na parede!

Megaman – NES

O Nintendinho nos trouxe jogos clássicos como The Legend of Zelda – A link to the past, Mario e Metroid. Foram horas de diversão com meus amigos sempre após as aulas ou durante boa parte do final de semana.

Outro console que me conquistou foi o Master System 3, aquele que vinha com o Sonic – The hedgehog 3 em sua memória. Passávamos horas correndo e pulando ao lado do ouriço azul. Até hoje quando ouço a trilha sonora da fase Green Hill Zone os pensamentos voltam à essa época.

Em 1997 ganhei meu primeiro console: o grandioso, monstruoso, revolucionário SNES – o Super “Fucking” Nintendo. Ele foi adquirido com muito esforço pelos meus pais, e só conseguiram porque era um console usado de um primo de um primo de um primo que estava vendendo por preço bem atrativo.

Super Nintendo – SNES

Lembro da minha felicidade quando o meu pai estava indo buscá-lo. Contei os minutos até o seu retorno, esperando encontrar em suas mãos o “motivo da minha feliz infância”. Quando meu objeto de desejo chegou, prontamente foi instalado na televisão da sala, uma gradiente de 20” analógica de tubo, que para ligar tinha que receber umas pancadinhas na lateral.

Então lá estava eu, pronto para me aventurar pela fantasia de Mickey e Donald – Magical Adventure 3 e enfrentar os desafios do incrível Mortal Kombat 2.

Mortal Kombat II

Esses jogos eram tudo de bom para mim. Lembro que dias depois eu já estava como uma revista Super Game Power aprendendo a dar todos os Fatalities e Babalities possíveis e imagináveis.

MINHA NOSSA, CARA!!! ROLA UMA LÁGRIMA AO LEMBRAR DESSA ÉPOCA!!

Suguei desses jogos o máximo que podia. Horas e horas a fio. Sempre ouvindo as previsões da minha mãe de que um dia eu iria estragar a televisão de tanto jogar vídeo game (e não é que aconteceu mesmo?!…rsrs).

Ah…também rolava umas mandingas de vez em quando para conseguir alcançar algum objetivo específico em um game. Por exemplo, certa vez eu estava em casa jogando Street Fighter II com um primo e tínhamos uma dificuldade terrível de derrotar o temível Vega. Então descobrimos que quando um de nós nos escondíamos atrás da cortina,e o outro o enfrentasse, poderíamos derrotá-lo (é isso mesmo, a cortina do meu quarto…rsrs)

Mas eu queria mais. Meus jogos já não serviam para alimentar o meu vício. Comprar um jogo novo era bem difícil, pra não dizer caro. Foi ai que conheci as locadoras, onde além das VHS’s, as fitas de games também estavam disponíveis para aluguel. Por um valor bem em conta, você poderia ter um jogo novo por um ou mais dias.

Lembro que a locadora perto da minha casa tinha uma promoção bem atrativa, onde alugando um jogo ou mais no sábado você poderia devolver só na segunda-feira. Para mim isso era perfeito. Foi assim que conheci jogos como Top Gear, Donkey Kong 1, 2, 3, Bomberman, Final Fantasy, Chrono Trigger etc.

MEU DEUS QUE ÉPOCA BOA!!!

Todo sábado eu acordava bem cedo para correr até a locadora  e conseguir alugar os melhores jogos. Então eu voltava correndo para casa, na fome de começar a jogar e zerar (chegar ao final) o jogo. Era muito frustrante devolver um jogo não vencido

Com o tempo chegaram as famosas locadoras de games, que muitos dizem ser o pai das atuais lan houses. Diferente das locadoras tradicionais, não era preciso alugar o game, você podia jogar no próprio estabelecimento.

Lembro que eu vivia em uma dessas locadoras localizada na garagem de um amigo. Ele começou com um SNES, um game do Super Mario World e uma TV de 14 polegadas. Pouco tempo depois seu acervo era preenchido por Playstation1, Playstation2, Dreamcast, Nintendo 64, Sega Saturno. Pois é, essa foi minha segunda casa.

 Típica Locadora de Games nos anos 90

Depois do SNES não tive mais nenhum console. Mas por que ter um, quando você tem um amigo com vários deles e milhares de jogos? Hoje, depois de muito tempo, adquiri um Playstation4, porém não tenho a mesma assiduidade de jogatina pelas dificuldades que qualquer adulto tem pra manter seu bom e velho gameplay.

Esse foi um resumo da minha vida como gamer nos anos 90 e digo pra vocês, foi uma vida feliz!!!

GAME OVER!!

Share.

2 Comentários

Deixe Seu Comentário